Nível de Intensidade Tecnológica das Empresas Gaúchas

Nível de Intensidade Tecnológica das Empresas Gaúchas

A Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE), classifica as empresas principalmente por seu percentual de investimento em Pesquisa e Desenvolvimento (P&D). Essa classificação as coloca basicamente em quatro níveis de intensidade tecnológica: Alta (high-technology), Média-Alta (medium-high technology), Média-Baixa (medium-low technology) e Baixa (low-technology).

Segundo a OECD (2011, 2014):

1. indústrias de baixa intensidade tecnológica são aquelas que investem menos de 1% do faturamento em P&D (por exemplo, madeira e móveis, alimentos e bebidas, têxtil e vestuário, couro e calçados);

2. aquelas de média baixa tecnologia investem entre 1% e 2,5% (por exemplo, plásticos e borracha, petróleo, produtos metálicos e não metálicos);

3. as de média alta, entre 2,5% e 7% (por exemplo, máquinas elétricas, veículos automotores, químicos e equipamentos de transporte);

4. as de alta, acima de 7% (por exemplo, aeroespacial, computadores, fármacos, equipamento de comunicação e instrumentos médicos).

Utilizando essa classificação com o intuito de verificar a proporção de empresas em cada uma dessas categorias nas diferentes regiões do Estado, observa-se que predominam aquelas empresas de baixa e média baixa intensidades tecnológicas (74,6%). Essa proporção, aliás, não é exclusiva do Rio Grande do Sul, pois, no restante do país, assim como em vários países emergentes (e muitas vezes nos desenvolvidos), são esses setores mais maduros e tradicionais que lideram a economia.

Para saber mais acesse o artigo “Capacidades e trajetórias de inovação de empresas brasileiras“.

Fonte: MACIEL REICHERT, FERNANDA; FREITAS CAMBOIM, GUILHERME; ZAWISLAK, Paulo Antônio. Capacidades e trajetórias de inovação de empresas brasileiras. RAM. Revista de Administração Mackenzie, v. 16, n. 5, 2015.