Modelo das Capacidades de Inovação

AS CAPACIDADES DE INOVAÇÃO

O modelo das capacidades de inovação da empresa apresenta a inovação como o resultado das quatro capacidades das empresas. Ou seja, a inovação como resultado de atividades que, em vez de se concentrarem em um local, departamento ou função, espalham-se por toda a empresa.

 

A ideia de considerar que a empresa está dividida em quatro funções básicas vai ao encontro dos quatro tipos de inovação expressos no Manual de Oslo (Organisation for Economic Co-operation and Development [OCDE], 2005). Quando se considera a inovação como mudanças em produtos, processos, organização ou marketing, abre-se um espaço para um olhar diferente da própria empresa. Em vez de se pressupor que a inovação deveria advir de uma capacidade tecnológica identificada por intermédio de uma estrutura de P&D ou pelo pessoal científico ali empregado, passa-se a considerar que a inovação pode emergir de qualquer uma de suas funções básicas.

Toda empresa é composta por quatro funções básicas: desenvolvimento, operações, gestão e comercialização.

Com base no modelo das capacidades de inovação da empresa, é possível caracterizar as diferentes combinações de capacidades de inovação de uma empresa, por meio das quais se podem perceber a lógica e a trajetória de inovação da empresa. Conforme sugerem Dosi (1988) e Amendola e Gaffard (1988) sugerem que a trajetória de inovação é o desenvolvimento efetivo realizado pela empresa, graças à relação concreta e indissociável entre as possibilidades tecnológicas e econômicas específicas de cada firma, em razão da base tecnológica e dos padrões de competitividade de seu setor de atividade.

 

Fonte: MACIEL REICHERT, FERNANDA, FREITAS CAMBOIM, GUILHERME, ZAWISLAK, PAULO ANTÔNIO, CAPACIDADES E TRAJETÓRIAS DE INOVAÇÃO DE EMPRESAS BRASILEIRAS. RAM. Revista de Administração Mackenzie [en linea] 2015, 16 (Setembro-Outubro) : [Data da consulta: 07 de outubro de 2017] Disponível em:<http://www.lume.ufrgs.br/handle/10183/148676> ISSN 1518-6776